A infecção urinária é denominada de Cistite ou Uretrite quando compromete o trato urinário baixo. Por outro lado, denomina-se de Pielonefrite quando afeta simultaneamente o trato urinário inferior e o superior. Entretanto, quando a infecção urinária baixa não se apresenta acompanhada de sintomas é denominada de Bacteriúria Assintomática. As Infecções do Trato Urinário – ITU podem ser classificadas, ainda, como complicadas ou não complicadas. 

20% das cepas isoladas de  E.coli  - o patógeno mais comum nas infecções do trato urinário – estão resistentes aos medicamentos de primeira e segunda linha, quanto aos tratamentos de segunda linha (fluoroquinolonas), com isso precisamos de resultados rápidos, precisos e eficazes. 

Urocultura:  Exame solicitado no Laboratório de Microbiologia Clínica que detecta o agente etiológico causador da infecção, e que após a identificação do microrganismo permitirá o teste de sensibilidade (antibiograma) para a terapêutica. 

A Escherichia coli é responsável por 72% a 85% das infecções do trato urinário adquiridas na comunidade e por 48% a 60% em pacientes idosos admitidos em instituições,  quando a ITU é adquirida no hospital, em paciente internado os agentes etiológicos variam desde a Escherichia coli, outras Enterobacteriales, Enterococcus faecalis, Staphylococcus saprophyticus,  fungos, com destaque para Candida spp, dentre outros.  

Meio Orientation
Permite a identificação presuntiva de diversos microrganismos: 
Escherichia coli – Colônias rosa escura a vermelhas 
Klebsiella, Citrobacter, Serratia spp – Colônias azul metálicas, podendo apresentar halo avermelhado ao redor 
Proteus,Providencia, Morganella spp. – Colônias beges com halo marrom 
Acinetobacter spp. – Colônias beges 
Pseudomonas spp. – Colônias transparentes ou com sua pigmentação natural esverdeada 
Staphylococcus epidermidis – Colônias pequenas creme esbranquiçadas 
Staphylococcus aureus – Colônias pequenas e amarelas 
Staphylococcus saprophyticus – Colônias pequenas cor de rosa 
Enterococcus spp. – Colônias pequenas e azul turquesa Candida spp. – Colônias brancas puntiformes

Referências Bibliográficas

  • Bernardo Gabriel de Oliveira, Carlos Augusto Albini, Gislene M. Diógenes Botão, Helena Homem de Mello de Souza. “A Identificação Direta Pelos Meios Cromogênicos é Confiável a Ponto de Dispensar as Provas Bioquímicas?” Curso de especialização em Microbiologia PUC – PR, Professor e Mestre Universidade Federal do Paraná, Hospital de Clínicas, Curitiba – PR, Hospital de Clínicas, Curitiba – PR.

  • – Medicina Laboratorial • J. Bras. Patol. Med. Lab. 45 (1) • Fev 2009 • https://doi.org/10.1590/S1676-24442009000100005 “Diagnóstico de infecção por Candida: avaliação de testes de identificação de espécies e caracterização do perfil de suscetibilidade” https://doi.org/10.1590/S1676-24442009000100005
  • Luciene Almeida. “Meios de Cultura Cromogênicos.” Escrito por Luciene Almeida em 24 de fevereiro de 2021.

  • GRANJA, Brunna de Mattos. “Avaliação de meios de cultura cromogênicos para identificação rápida de microrganismos causadores de mastite bovina” [doi:10.11606/D.10.2020.tde-19012021-100518]. Pirassununga: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, 2020. Dissertação de Mestrado em Nutrição e Produção Animal. [Acesso em 2023-07-20].

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these <abbr title="HyperText Markup Language">html</abbr> tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

7 + sete =